Cultivos agrícolas de regadio

 

Cultivos agrícolas de regadio

Período recomendado: INVERNO

Na Extremadura existem mais de 200.000 ha dedicados aos cultivos de regadio, favorecidos pela extensa rede de represas e canais existente na bacia do Rio Guadiana e em menor grau na do Tejo.

Do ponto de vista das aves, os cultivos de regadio mais interessantes são o milho e o arroz (a Extremadura, com 25.000 ha, é a segunda região espanhola em produção de arroz), especialmente no Inverno. Uma vez colhidos estes cultivos (entre Outubro e Novembro), as aves aproveitam principalmente os grãos desperdiçados que ficam nos restolhos após a colheita. Além disso, os arrozais permanecem inundados durante a maior parte do Inverno, convertendo-se em atractivas zonas húmidas de águas pouco profundas. Apesar de serem áreas dedicadas à agricultura intensiva, acolhem populações significativas de aves e um elevado número de espécies.

De entre as aves associadas aos cultivos de regadio destacam-se as populações hibernantes de: grou comum, maçarico-de-bico-direito, gaivota de asas escuras, guincho-comum, maçarico-preto, garça-real, garça boieira, papa-ratos, garça-branca-pequena, garça-branca-grande, cegonha-branca, ganso comum, arrabio, pato colhereiro e abibe.

Dentro das espécies limícolas, são importantes os efectivos de maçarico-real, maçaricão comum, perna-vermelha-comum, perna-vermelha-escuro, tarambola dourada comum, narceja-comum e combatente.

De entre as aves de rapina, devem-se destacar as populações de tartaranhão-ruivo-dos-pauis e tartaranhão azulado, que costumam instalar os seus dormitórios em arrozais: peneireiro-cinzento, águia-d'asa-redonda, milhafre-real, esmerilhão e coruja campestre.

Existem ZEPA's exclusivamente designadas para protegerem as aves dos cultivos de regadio, tais como: “Arrozales de Palazuelo y Guadalperales”, “Vegas del Ruecas, Cubilar y Moheda Alta” e “Llanos de Zorita y Embalse de Sierra Brava”.