Birding in Extremadura

O Birding in Extremadura é um portal criado pela Secretaria da Turismo da Junta da Extremadura, dedicado à promoção do turismo ornitológico nesta região. Nas suas diferentes secções podem-se encontrar todas as informações necessárias sobre as diferentess espécies de aves, os seus hábitats , a oferta de trajectos e itinerários pelos lugares de maior interesse para a observação das aves e as épocas recomendadas, os serviços turísticos e, em última análise, tudo o que é necessário para se poder planificar uma viagem ornitológica e tirar o máximo proveito da estadia na Extremadura.

A Extremadura e as aves

A Comunidade Autónoma da Extremadura é considerada como uma das regiões europeias de maior importância para as aves e, por isso, encontra-se entre os destinos mais desejados pelos amadores da ornitologia e amantes da natureza de todo o mundo, atraídos pela possibilidade de observarem aves em habitats naturais de grande beleza e desfrutarem, além do interessante património cultural e histórico estremenho.

Trata-se, sem dúvida, de um verdadeiro paraíso ornitológico, propiciado em grande medida pelo excelente estado de conservação dos seus habitats naturais, em que a vegetação mediterrânica encontra um dos seus melhores expoentes. A pastagem, a paisagem mais representativa da região, desempenha um papel crucial na alta diversidade que as aves alcançam, estando muitas espécies associadas de perto a este valioso habitat. Mas, além disso, neste território pode-se encontrar uma grande variedade de habitats que configuram um complexo mosaico, estando presentes desde as paisagens de alta montanha na Serra de Gredos, passando pelos extensos prados das peneplanícies, as densas formações de bosque mediterrânico que ainda cobrem as ladeiras de muitas serras e ribeiros, até à intrincada rede de cursos fluviais, tributários dos rios Tejo e Guadiana, cujas grandes barragens são um dos seus sinais de identidade. A paisagem agrícola completa e enriquece este mosaico diversificado, integrando-se harmoniosamente nos habitats naturais e destacando-se, pela sua importância para as aves, os cultivos de cereais de sequeiro e os cultivos de regadio, principalmente de arroz e milho.

Como reconhecimento pela sua importância ornitológica, 74,1% do seu extenso território foram incluídos no inventário dasÁreas Importantes para as Avesda Espanha (SEO/BirdLife, 1995), o que é uma situação excepcional, tanto a nível nacional como europeu.

Na Extremadura foram referidas até 337 espécies de aves que podem ser observadas ao longo do ciclo anual (SEO/BirdLife, 2008). De todas elas, 194 são consideradas como reprodutoras, incluindo as que permanecem todo o ano na região (sedentárias) e as que nidificam mas migram para outras latitudes para passarem o Inverno (estivais). As aves hibernantes são o segundo grupo em termos de importância, com 189 espécies, dado que as temperaturas invernais moderadas e a grande disponibilidade de alimentos fazem com que a região possa acolher populações de aves mais nortenhas ou permitem que algumas espécies reprodutoras aqui permaneçam durante os meses mais frios. Além disso, dada a sua situação latitudinal privilegiada, os trajectos migratórios de muitas espécies atravessam a região, encontrando alimentos e descanso durante as suas deslocações para as suas áreas de invernada ou de reprodução.

Deve-se destacar a importância da Extremadura na conservação de algumas das espécies de aves mais ameaçadas da Europa e dos habitats onde elas vivem, encontrando aqui refúgio grande parte dos seus efectivos. É o caso de espécies tão emblemáticas como a águia imperial ibérica (43 casais), a cegonha-preta (173 casais), o abutre-preto (880 pp), a águia de Bonelli (93 casais), o abutre do Egipto (155 casais), o peneireiro-das-torres (3750 casais), o tartaranhão-caçador (700 casais) ou a abetarda (6.500 indivíduos).

Para garantir a conservação das espécies mais ameaçadas e dos seus valiosos habitats, a Junta da Extremadura designou 69 Zonas de Especial Protecção para as Aves (ZEPA's) na aplicação da Directiva Europeia para a Conservação das Aves Silvestres (79/409/CEE). Esta rede de ZEPA's, uma das mais extensas da península ibérica, representa actualmente 26,15% do território da região, com mais de 1.089.936 ha.